ANÁLISE PSICO-ORGÂNICA

A Análise Psico-Orgânica é uma abordagem de psicoterapia analítica com mediação corporal e foi concebida por Paul Boyesen, psicoterapeuta e fundador da EFAPO - Escola Francesa de Análise Psico-Orgânica-, sediada em Paris - França, em 1985.

 

Dialogando com as correntes da Psicologia Humanista/Existencial, psicoterapias corporais e com a psicanálise, a Análise Psico-Orgânica é um método original – ao considerar o inconsciente e o corpo - e se baseia nos seguintes preceitos:

  • Uma imagem da pessoa como um indivíduo com suas percepções subjetivas que se construiu na relação com o outro.

  • Atenção ao valor da criatividade do sujeito. Isto é perceptível no trabalho sobre o impulso primário (PIT*), onde o terapeuta ajuda o paciente a traçar um caminho sobre um território ainda não percorrido.

  • Um indivíduo que aspira à realização de si próprio, o que implica que a ação terapêutica oferece um suporte e um acompanhamento no momento em que a pessoa necessita e, particularmente, quando ela não o teve no passado, para que possa desenvolver e ampliar seu campo de ação e sua consciência do ser.

  • Um indivíduo pesquisador e criador de sentido: o sentido de suas ações e o direcionamento de suas escolhas tornam-se palpáveis para o paciente quando a conexão com a profundidade e com o Eu orgânico é restabelecida. 

  • Um indivíduo em busca de suas necessidades e dos desejos que ele encarna em seus projetos e em sua vida cotidiana.

  •  Responsabilidade do indivíduo perante suas escolhas: a Análise Psico-Orgânica dá ênfase sobre o conceito de "escolha e qualidade da experiência".

  • Considerar os valores que a pessoa traz com ela e a atenção atribuída à sua dignidade.

  • A dimensão da coexistência como constitutiva do indivíduo.

A APO vai propor modelos teóricos e clínicos que articulam as dimensões psíquicas, orgânicas, emocionais e energéticas do sujeito, buscando as ligações entre a linguagem verbal (significar a experiência emocional), as imagens do inconsciente (acessar o universo simbólico) e a experiência energética, sensorial (a conexão com corpo).

 

“A Análise Psico-Orgânica não confere importância apenas ao sentido da experiência e à sensação da experiência, mas também ao verbo que os conecta” Paul Boyesen

 

Herdeira dos trabalhos conjugados de Freud, Jung, Reich e Gerda Boyesen, a Análise Psico-Orgânica cresce, há 40 anos, com uma metodologia própria e inovadora.

 

A partir do contínuo trabalho de pesquisa e aprofundamento de Paul Boyesen em conjunto com os psicoterapeutas e formadores da origem da EFAPO: Joëlle Boyesen, Jacqueline Besson, Yves Brault, Anne Fraisse (in memoriam), Eric Champ et Claudie Mothe, a APO vem sendo praticada e ensinada em vários países da Europa como França, Alemanha, Bélgica, Suíça, Letônia, Luxemburgo e Rússia e também no Líbano. No Brasil, em colaboração com o CEBRAFAPO, foram completados 23 anos de formação contínua.A APO foi reconhecida pela Associação Europeia de Psicoterapia (EAP) como um método específico de psicoterapia (www.europsyche.org).

 

Para mais informações sobre o método, sua aplicabilidade e sobre o processo formativo em APO no Brasil, acesse o site do CEBRAFAPO - Centro Brasileiro de Formação em Análise Psico-Orgânica (www.cebrafapo.com.br), e o site da Escola Francesa em Análise Psico-Orgânica - EFAPO (www.efapo.fr).

Fonte: 

FRAISSE, A; CHAMP, E; TOCQUET, M: A ANÁLISE PSICO-ORGÂNICA: as vias corporais de uma psicanálise. Numa Editora, 2020

SILVANA SACHARNY: A Análise Psico-Orgânica. Site CEBRAFAPO, artigos: www.cebrafapo.com.br